Discussão sobre receita precisa estar acima de gastos públicos

Para economista, novo presidente lidará com estouro do teto de gastos ou a sociedade perderá em investimentos

  • 3
  •  
  •  
  •  
  •  

jorusp

Foi aprovado há quase dois anos o teto de gastos que limita os investimentos públicos por 20 anos e pode vir a ser um impasse para o próximo candidato que assumir o pleito presidencial. O teto foi proposto através de uma emenda constitucional e divide os principais pré-candidatos à Presidência da República sobre como se dará a administração das contas públicas do País.

De acordo com o professor Adriano Biava, especialista em Finanças Públicas e Economia do Setor Público da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP, o principal problema para o cumprimento da PEC 95 é qualificar os gastos do governo em uma perspectiva apenas financista. Gasto público possui um grande impacto na sociedade, o que traz a necessidade de avaliação do que o País precisa e de realocação dos recursos. “Ao congelar os gastos por um período tão longo, vai chegar um momento em que ou a sociedade estará perdendo a longo prazo por conta de gastos que não serão realizados, ou nós vamos ter que infringir a regra que foi colocada.”

As despesas financeiras não são consideradas na discussão do teto de gastos, fazendo com que áreas como saúde e educação sejam prejudicadas, e trazendo um impasse para o próximo presidente, já que as medidas da PEC alteraram significativamente a Constituição de 1988. O professor afirma que a principal discussão a ser feita é sobre a receita, para avaliar as formas de se buscar recursos para investimento nos setores públicos.

Jornal da USP no Ar, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93,7, em Ribeirão Preto FM 107,9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular. Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

  • 3
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados