Diplomacia brasileira precisa aprimorar mecanismos de cooperação internacional

Ao falar sobre a troca de ministros no Itamaraty, Paulo Borba Casella destaca cada vez mais a importância da diplomacia na ciência e saúde internacionais, para negociações de vacinas e colaboração entre pesquisadores, o que o Brasil não tem feito

 06/04/2021 - Publicado há 8 meses
A mudança no Itamaraty acontece após desgaste do ex-ministro com relação à China, o maior exportador de insumos para produção de vacinas contra o novo coronavírus – Foto: Wikimedia Commons


Em um momento de pressão política, o presidente Jair Bolsonaro anunciou no último dia 29 a demissão do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e a nomeação do embaixador Carlos Alberto França, ex-chefe do cerimonial do Palácio do Planalto. A mudança no Itamaraty acontece após desgaste do ex-ministro com relação à China, que é o maior exportador de insumos para produção de vacinas contra o coronavírus.

Para o professor Paulo Borba Casella, do Departamento de Direito Internacional da Faculdade de Direito da USP, a política externa “simplesmente absurda” do governo Bolsonaro é uma situação que deve se manter com a troca do chanceler. Em entrevista ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição, o professor destaca que, assim como seu antecessor, o novo ministro é um embaixador júnior, que não tem muita experiência e provavelmente vai cumprir ordens.

Além dos constrangimentos com a China, também foram criados constrangimentos com a Índia, que produz 60% das vacinas do mundo, quando o Brasil, acompanhando o governo Trump, foi contra a iniciativa indiana de quebra de patentes de vacinas em votação na Organização das Nações Unidas (ONU). O professor destaca que esse seria mais um exemplo de como o governo brasileiro tem ido contra a tradição diplomática nacional de quase 200 anos.

Segundo Casella, “a pandemia está mostrando, mais do que nunca, como é necessário trabalhar em equipe e de uma maneira coordenada, senão não chegamos a lugar nenhum”. Agora, destaca-se cada vez mais a importância da diplomacia na ciência e saúde internacionais, para negociações de vacinas e colaboração entre pesquisadores. Então, segundo o professor, é preciso manter e aprimorar os mecanismos de cooperação que historicamente se fizeram presentes na inserção internacional do Brasil – sempre realizada a partir da diplomacia, do diálogo e do alinhamento com o direito internacional.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.