Devedor previdenciário não deve ser criminalizado

Para professor, não há inconstitucionalidade no artigo do Código Penal que deixa de punir inadimplente

jorusp

Uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), que está parada há cinco anos no Supremo Tribunal Federal, tem como ponto central analisar a lei que prevê a extinção da punição ao devedor previdenciário confesso. Segundo a lei, o devedor que “espontaneamente declara e confessa as contribuições e presta as informações devidas à Previdência Social” não pode ser taxado como criminoso. A ação está parada no gabinete da ministra Rosa Weber, relatora do caso. O Procurador-Geral da República à época, Roberto Gurgel, considera inconstitucional o parágrafo que deixa de punir quem comete o crime de sonegação de contribuição previdenciária, cuja pena é de dois a cinco anos de reclusão e multa. Para falar sobre o assunto, o Jornal da USP no Ar recebeu David Teixeira de Azevedo, professor do Departamento de Direito Penal e Medicina Forense da Faculdade de Direito da USP.

Para o professor, não há outro artigo ou aspecto da Constituição que entre em conflito com essa lei, não havendo portanto inconstitucionalidade. “Entendeu-se que uma boa política criminal seria estimular aqueles que estivessem a sonegar tributos confessassem sua prática” explica. Segundo ele, assim como o Congresso pode impor, criar e extinguir tributos, também tem a liberdade de prever causas de extinção de punibilidade caso haja a confissão do devedor. Contudo, ele lembra que, mesmo confesso, o indivíduo não deixa de ser um devedor. O objetivo principal da lei é o de comunicar o Estado de sua condição, antes que seja iniciada uma ação fiscal, a fim de que a Receita fique ciente. “Aí o Estado pode, uma vez extinta a punibilidade no âmbito penal, autuar, cobrar e executar essa dívida judicialmente” completa.

Azevedo reforça ainda que não há isenção de pagamento, o contribuinte apenas passa a não ser considerado criminoso. O indivíduo é taxado como tal para o Estado se praticar fraudes fiscais, e não por apenas dever impostos. Ele aponta que o problema do sistema brasileiro é que o Ministério Público e a Justiça passaram a buscar a criminalização dos devedores como tentativa de solucionar o problema da inadimplência tributária da Previdência. “O que o Estado não consegue fazer de maneira competente, na área administrativo-tributária e de execução fiscal, quer fazer por intermédio do Direito Penal.”

jorusp

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.