Destino de rejeito nuclear é um dos principais problemas atuais

Especialista do Instituto de Física da USP comenta efeitos, riscos e benefícios do uso da radiação

  • 609
  •  
  •  
  •  
  •  

jorusp

As consequências causadas pela exposição à radiação são o tema da entrevista com a professora do Instituto de Física (IF) da USP, Emico Okuno, que revela os impactos do uso militar desde programas nucleares até tratamentos radioterápicos utilizados, por exemplo, em casos de câncer.

Ela faz uma abordagem histórica a partir da descoberta do raio X e da radiação, que passou a ser utilizada para tratamento de tumores. E comenta os acidentes nucleares que se dão a partir de reatores que, como consequência, deixam a região do entorno inabitável por conta da contaminação radioativa.

Os acidentes causados por reatores de grande potência, usados tanto para fins militares quanto para gerar energia elétrica, podem causar uma reação em cadeia: a grama que serve de alimento aos animais, quando contaminada, também atinge estes animais e toda produção. O leite produzido por vacas que consumiram alimento com radiação passa a estar infectado. No acidente de Chernobil, em 1986, por exemplo, leite contaminado foi importado pelo Brasil.

A professora destaca como um dos principais problemas atuais o rejeito nuclear do combustível utilizado e que não garante benefícios econômicos. Esses resíduos permanecem sem destino definido. Segundo ela, os Estados Unidos decidiram fazer uma mina subterrânea, o que é um investimento custoso e sem aprovação da população.

O uso da radioatividade no cotidiano, entretanto, também tem aplicações importantes, como a geração de energia elétrica pelos reatores, que corresponde a 17% da produção mundial. 

Jornal da USP no Ar, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93,7, em Ribeirão Preto FM 107,9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular. Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

  • 609
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados