Desnutrição hospitalar aumenta número de mortes entre pacientes

Antes e depois de passar por hospital, desnutridos morrem duas a três vezes mais do que os outros enfermos

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Foto: SGT Johnson / Força Aérea Brasileira via Flickr – CC

Segundo uma revisão inédita de 49 estudos sobre desnutrição hospitalar produzidos em 19 países, a escassez de nutrientes atingiu de 40% a 60% dos pacientes que dão entrada em hospitais da América Latina. O trabalho foi liderado pelo gastroenterologista Dan Waitzberg, professor da Faculdade de Medicina da USP e coordenador da Residência Médica de Nutrologia do Hospital das Clínicas.

De acordo com ele, a questão nutricional não é diagnosticada na triagem do paciente, o que gera perigos para o tratamento do câncer, a evolução de cirurgias e, por vezes, piora o estado dos internados. O Brasil conta com portarias ministeriais que orientam hospitais públicos a fazerem a análise. Uma delas é a de  nº 850, que institui grupos de trabalho sobre terapia nutricional no Sistema Único de Saúde (SUS). Entretanto, o médico afirma que não são todos os hospitais que dispõem de equipes disponíveis para fazer esse tipo de atendimento previsto em lei.

Waitzberg explica que a falta de cuidado com essa questão aumenta a taxa de infecções e más cicatrizações, além de elevar o tempo de permanência hospitalar e ainda poder levar à morte. O especialista aponta, também, que, com exceção do Hospital das Clínicas, o orçamento da rede pública de SP não contempla produtos nutricionais para as demais unidades de saúde, o que pode aumentar as taxas de reinternação.

O Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados