Desmonte da educação de jovens e adultos pode afetar economia brasileira

Professor José Marcelino de Rezende Pinto comenta relatórios do setor educacional, mostrando que cerca de 14 milhões de escolas brasileiras deixaram de oferecer o programa de Educação de Jovens e Adultos do Ministério da Educação

 07/04/2021 - Publicado há 8 meses  Atualizado: 08/04/2021 as 15:44
Por

 

No Brasil, cerca de 69 milhões de jovens, com 25 anos de idade ou mais, ainda não concluíram a formação básica, segundo o IBGE – Foto: Secretaria de Educação do Maranhão/Divulgação

 

A queda nos investimentos em educação no Brasil já tem reflexos no programa para Educação de Jovens e Adultos (EJA) do Ministério da Educação, segundo o professor e especialista em Política e Gestão Educacional, José Marcelino de Rezende Pinto, da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP. 

A conclusão do professor está baseada no levantamento feito pelo Laboratório de Dados Educacionais da Universidade Federal do Paraná, em parceria com a Universidade Federal do Goiás, a partir de relatórios educacionais entre 2007 e 2019. O relatório mostrou que, durante o período analisado, cerca de 14 milhões de escolas brasileiras deixaram de oferecer o EJA e, entre as instituições que mantiveram as portas abertas para essa modalidade, o número de matrículas diminuiu em 1,8 milhão para os ensinos fundamental e médio. 

Os números preocupam, diz Rezende Pinto, uma vez que, no Brasil, cerca de 69 milhões de jovens, com 25 anos de idade ou mais, ainda não concluíram a formação básica, segundo Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD Contínua), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2019. Para esses brasileiros, um dos caminhos para terminar os estudos é justamente o programa para Educação de Jovens e Adultos (EJA) do Ministério da Educação. 

Futuro comprometido 

Para Rezende Pinto, esse cenário pode afetar não só o futuro dos jovens e adultos, mas também o potencial econômico do Brasil. “Imagine hoje um jovem de 20 anos que não concluiu o ensino fundamental. Qual a sua capacidade em uma economia cada vez mais competitiva e tecnológica? Qual a chance que esse jovem, ou um adulto de 30, 40 anos, tem?”, questiona. 

Para Rezende Pinto, “negar ao jovem brasileiro a possibilidade de concluir o ensino fundamental e o ensino médio através da educação de jovens e adultos, guardadas as proporções, é como se o País estivesse abrindo mão do seu futuro”. E afirma que, dado o momento atual de  crise, a saída para o Brasil é “investir  pesadamente em educação”, assim como fizeram países que viveram situações semelhantes. 


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.