Descarte incorreto de medicamentos pode contaminar o meio ambiente

O Estado de São Paulo ainda não conta com um programa eficiente para solucionar esse problema

 26/11/2019 - Publicado há 2 anos
Por

Anualmente, quase 30 mil toneladas de medicamentos são jogados fora pelos consumidores por estarem vencidos, não serem mais utilizados, porque o tratamento acabou ou não deu certo. O fato é que grande parte desses remédios acaba sendo descartada da maneira errada. Muitas pessoas simplesmente os jogam na descarga ou na lata do lixo. Isso traz um risco imenso para quem faz a coleta, catadores que vasculham os lixões. Além disso, o meio ambiente também é afetado, uma vez que essas medicações vão se diluir e serem absorvidas pelo solo, contaminando o lençol freático.

Para evitar que isso ocorra, o ideal é descartar esse material em Unidades Básicas de Saúde ou em farmácias que tenham postos de coleta. Maria Aparecida Nicoletti, farmacêutica responsável pela Farmácia Universitária da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP, cita que o material coletado corretamente é incinerado. Um cuidado maior é necessário quando os medicamentos são controlados por serem drogas psicoativas. “No processo de fazer essa entrega nas Unidades Básicas de Saúde ou nos postos de recolhimento, existe toda uma conduta específica para o tipo de medicamento que está sendo devolvido para a coleta. Então, o profissional da saúde vai fazer essa seleção e vai agrupar esses medicamentos em categorias diferenciadas para o manejo, para a incineração.”

Acompanhe, pelo link acima, a íntegra da matéria.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.