Dermografismo é urticária que pode piorar no inverno

Especialista diz que não existe tratamento específico nesses casos, mas há formas de preveni-los e amenizá-los

jorusp

Pele – Flominator via Wikimedia Commons / CC BY-SA 3.0

.

O dermografismo é um tipo de alergia que se caracteriza pelo aparecimento de inchaço após um estímulo, causado por um arranhão ou contato na pele, que pode vir acompanhado de coceira e vermelhidão na região ao redor. Essa alergia, também chamada de urticária física, é causada por uma resposta imune exagerada do organismo após uma pressão exercida sobre a pele, havendo uma reação no mesmo formato do estímulo causado. Apesar de não haver tratamentos específicos, as crises podem ser prevenidas e é possível aliviar os sintomas com uso de remédios anti-alérgicos.

Ariana Campos Yang, professora de Imunologia Clínica e Alergia, do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina (FM) da USP, contou ao Jornal da USP no Ar os processos biológicos que levam ao desenvolvimento desse problema. “Na nossa pele existem células responsáveis por desencadear processos alérgicos, chamadas mastócitos que, por inúmeras razões, podem ficar instáveis. Ela guarda dentro dela substâncias que causam coceira, vermelhidão e inchaço, que contribuem com o processo alérgico, sendo que a principal é a histamina. Quando sua membrana a libera, isso causa a urticária ou o dermografismo, caracterizados pelo aparecimento de vergões e edemas acompanhados de coceira nos locais onde a pele sofre pressão”, explica ela.

Alguns fatores que contribuem com essa instabilidade são “pele seca, períodos de estresse, uso de medicações como anti-inflamatórios. A pessoa que sofre com dermografismo se sente muito incomodada, muitas vezes só por estar usando uma peça de roupa um pouco mais apertada”, de acordo com a especialista. “É por isso que no inverno pode haver piora, já que é um período em que nossa pele tende a ressecar mais facilmente.”

Quem sofre essa urticária deve procurar um especialista para tentar identificar sua origem, que pode ser motivada por reações a medicamentos. Ariana alerta que “pessoas que têm reação aos anti-inflamatórios podem ser mais propensas a ter dermografismos. Se não souberem disso e continuarem a tomar esses remédios, o quadro pode piorar”.

Existem duas formas principais de tratamento: “Pode-se fazer uso de anti-histamínicos e anti-alérgicos eventualmente, quando há muito incômodo, ou a que parece ser mais interessante para manter a célula responsável estável, que é fazer uso contínuo desses medicamentos durante certos períodos, diminuindo ao longo do tempo para ver se a urticária está melhorando”. No entanto, não existe tratamento padrão, e cada caso tem suas particularidades. É por isso que é necessário manter a pele bem hidratada, principalmente nos dias mais frios e secos, e procurar um médico especializado caso seja detectado o problema.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP, Faculdade de Medicina e Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •