Décimo terceiro e comércio digital devem marcar vendas de final de ano

A expectativa vem da cidade de Ribeirão Preto, interior de São Paulo, que prevê aumento de 8,29% nas compras de final de ano, com injeção de mais de R$650 milhões do décimo terceiro

 Publicado: 22/11/2021
Por
As boas expectativas para o Natal não devem amenizar a preocupação de lojistas e consumidores com a alta dos preços –  Foto: Freepik

 

A volta do funcionamento normal do comércio, o avanço da vacinação e o pagamento do 13º salário  prometem alavancar as vendas deste final de ano. Mesmo ainda vivendo a pandemia da covid-19, esses fatores devem movimentar o comércio e a economia do País, em especial a da região de Ribeirão Preto.  

Levantamento feito pelo Instituto de Economia Maurílio Biagi, da Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto (Acirp), indica que o 13º injetará em Ribeirão Preto cerca de R$ 652,5 milhões, um aumento de 8,29% em relação ao ano passado, quando ficou na casa dos R$ 600 milhões, o que deve estimular as compras de final de ano. A primeira parcela do benefício deve ser paga até o dia 30 de novembro, somando quase R$ 367 milhões; a segunda, a ser paga até 20 de dezembro, deve contabilizar outros R$ 286 milhões. 

Mas as boas expectativas para o Natal, no entanto, não devem amenizar a preocupação de lojistas e consumidores com a alta dos preços, avalia o coordenador de relações institucionais da Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto, José Manuel Lourenço. “É que a inflação deve se manter, elevando os custos de alguns produtos.”

A recomendação de Lourenço para os lojistas é o investimento em vendas on-line e, para os consumidores, ficar atentos às ofertas e usar o celular como ferramenta para economizar. Lourenço se baseia em dados recentes do e-commerce brasileiro que mostram, apenas nos três primeiros meses deste ano, um aumento de 57,4% das compras on-line em comparação ao mesmo período do ano passado. Os mesmos dados destacam a região Sudeste em volumes de compras on-line, com 63% do total de pedidos realizados no quarto trimestre de 2020.

Com a perspectiva de aumento nas vendas do varejo, as contratações temporárias também devem manter o mercado de trabalho aquecido, o que é típico para o período, prevê o professor do Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP em Ribeirão, o economista Edgard Monforte Merlo. Na onda de boas novas, Merlo lembra também das novas vagas com carteira assinada abertas, com os cerca de 13,83% a mais de empregados na construção civil, seguidos pela indústria em geral, com aumento de 10,84%, e o setor de serviços, com 9,48% de aumento nas contratações.

Quem tem direito ao 13º 

Todo trabalhador que tenha carteira assinada com no mínimo 15 dias trabalhados. Trabalhadores rurais, urbanos, avulsos, domésticos e até mesmo aposentados e pensionistas do INSS têm direito ao décimo terceiro.

  • Empregados demitidos por justa causa não possuem direito ao 13º salário (caso a rescisão tenha ocorrido antes do pagamento da parcela);
  • Empregados afastados que começaram a receber o auxílio-doença e tiveram seu contrato de trabalho suspenso; assim, receberão 13º salário proporcional ao tempo trabalhado durante o ano e o restante deverá ser pago pelo INSS;
  • Já os afastados por acidente de trabalho também têm direito ao 13º salário proporcional ao tempo que trabalharam durante o ano e o restante deverá ser pago pelo INSS; caso o empregado se encontre afastado por acidente de trabalho durante todo o ano, o responsável pelo pagamento do 13º salário integral é o próprio INSS;
  • O estagiário não tem direito ao recebimento do 13º salário. Porém, algumas empresas, por livre e espontânea vontade, decidem bonificar seus estagiários também.

O décimo terceiro também tem alguns descontos, como INSS, imposto de renda e pensão alimentícia. Os descontos desses encargos são feitos na segunda parcela e deve ser considerado o valor total do décimo terceiro e não as parcelas.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.