Dataprev e Serpro são estratégicos e demandam eficiência com segurança

Dados das companhias levantam interesses e sua capitalização precisa ser clara, para José Roberto Savoia

O Conselho do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI) da presidência da República recomendou a qualificação para privatização das duas companhias brasileiras responsáveis pela análise e pelo armazenamento de informações. O Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) é o líder no mercado de tecnologia da informação para o serviço público. A Dataprev (Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência) gera as bases de dados sociais da população — aquelas do INSS, em especial.

José Roberto Savoia, professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA), ressalta a importância das duas empresas ao Brasil em dois aspectos. Primeiro, ambas possuem informações detalhadas de toda a população — do padrão de renda até registros oficiais. Além disso, a qualidade dos relatórios dos dois órgãos é fundamental para a atividade eficaz da máquina estatal. O ministro da Economia, Paulo Guedes, não escondeu seu descontentamento com o erro do Serpro no registro das exportações brasileiras.

“As duas empresas sempre tiveram grandes dificuldades financeiras”, aponta o especialista ao Jornal da USP no Ar. Para ele, a Dataprev oscila muito em relação aos seus resultados e o Serpro tem dificuldades em cobrar outros braços do Estado, que não pagam seus serviços. Nesse sentido, a qualificação para a privatização seria positiva, porque incentiva o governo a promover um choque de gestão nas estatais, no intuito de valorizá-las.

Ainda falta clareza nesse processo de venda, segundo Savoia. As companhias controlam informações privadas dos cidadãos brasileiros, que são estratégicas financeiramente a bancos, planos de saúde e seguradoras. Logo, a gestão desses dados levanta um claro interesse econômico.

Traçar protocolos mínimos para a administração dessas companhias é primordial, para o economista. A gestão de Jair Bolsonaro alega que quem quer que ganhe os leilões estará sob jurisdição de Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPDP). A Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) seria a agência responsável por fiscalizar o cumprimento dessas normas, mas ainda não está em funcionamento. Vale lembrar que os dados armazenados em nuvem estariam fora da jurisdição nacional.

“Ter o capital dessas empresas aberto” seria a solução de Savoia, em vez da privatização. O funcionamento da Sabesp é um exemplo disso. Dessa maneira, investidores avaliariam a Dataprev e o Serpro sob parâmetros de gestão do mercado, com menor risco às informações da população. “Seriam companhias brasileiras internacionais”, esclarece. E ainda permitiria o trabalho das agências de inteligência da Polícia Federal (PF) com informações de segurança.

Ouça a entrevista na íntegra no player acima.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.