Dados mostram que Brasil perdeu 55% da região do agreste e está se tornando sertão

Carlos Nobre afirma que o reflorestamento poderia ser a alternativa para reduzir a velocidade com que o sertão vem invadindo o agreste

 03/06/2024 - Publicado há 1 mês
Por
“Torna-se urgentemente necessário zerar os desmatamentos da Caatinga e restaurar um grande porcentual dessas áreas desmatadas” – Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Logo da Rádio USP

Elas são rápidas, costumam durar de uma semana a um mês, mas são mortais. Estamos falando das secas-relâmpago, um fenômeno que está atingindo a única área verde do Nordeste conhecida como agreste. Essa região equivale a 725 mil  km2 , que corresponde a 55% do agreste.

Carlos Nobre – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Essa “devastação”  não é recente, vem ocorrendo desde o início dos anos 1990 e está encurtando a distância entre a zona da mata (faixa de litoral) e as terras mais áridas (Caatinga ou sertão) dessa parte do Brasil. 

O governo brasileiro vem monitorando  essa região semiárida desde 1993 com pelo menos dois documentos importantes, assim como cientistas e ambientalistas. Um dos maiores especialistas em clima do mundo, o climatologista Carlos Nobre, pesquisador do Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP e copresidente do Painel Científico para a Amazônia, explica que a chuva nessa região ocorre entre janeiro e agosto. 

Perda do agreste

Dados do Cemaden (Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais)  e Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) mostram que o Brasil perdeu 55% da região de agreste em 2023, o que está tornando a área uma região de sertão. 

Segundo a Sudene (Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste), é a região árida mais populosa do mundo, com 31 milhões de habitantes. O semiárido hoje inclui 215 municípios em 11 Estados brasileiros. O aquecimento global e o desmatamento são as principais razões dessa expansão de área desértica, mas o reflorestamento poderia ser uma alternativa para reverter a situação. 

“Torna-se urgentemente necessário zerar os desmatamentos da caatinga e restaurar um grande porcentual dessas áreas desmatadas, evitar as pastagens degradadas que têm levado à desertificação de áreas do semiárido, combater a emergência climática devido ao aquecimento global e não permitir que a temperatura global ultrapasse 1,5 graus Celsius, um grande desafio se não reduzirmos muito rapidamente as emissões globais dos gases de efeito estufa e, por fim, o potencial econômico e social para a Caatinga é desenvolver uma economia baseada na grande biodiversidade da Caatinga e mantendo essa vegetação”, afirma Nobre.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar no ar veiculado pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h, 16h40 e às 18h. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.