Cuidados com a voz passam por uma boa hidratação

Kátia Nemr revela que beber água ao longo do dia ajuda na prevenção de problemas, assim como também se deve evitar alimentos que facilitem o refluxo gastroesofágico

 03/05/2022 - Publicado há 4 meses
Por
Alterações na voz podem ser verificadas, com o passar do tempo, por uma série de fatores – Fotomontagem com imagens de Freepik por Adrielly Kilryann/Jornal da USP

Suave, potente, aguda, grave, a voz pode se apresentar de várias formas e intensidades, podendo ser um destaque entre tantas existentes. A voz é tão importante que conta com uma data especial e campanha para sua prevenção e cuidado. Quando bebês, emitimos alguns sons e grunhidos e, conforme vamos crescendo, balbuciamos palavras até aprendermos a falar de forma que todos escutem e entendam o que está sendo dito. Mas, para que isso seja possível, há uma série de órgãos que funcionam em conjunto para que a voz seja ouvida nitidamente, como explica a fonoaudióloga Kátia Nemr, coordenadora do Laboratório de Investigação Fonoaudiológica em Voz da Faculdade de Medicina da USP. “A voz é produzida pelo ar vindo dos pulmões e passa pela laringe, nela encontrando as pregas vocais, que vão vibrar e produzir um som que vai ser modificado pela articulação e pela ressonância.” Se essa engrenagem estiver em equilíbrio, a voz será produzida de forma mais harmônica e a comunicação será mais efetiva.

Kátia Nemr – Foto: Reprodução/Facebook

Alterações podem ser verificadas, com o passar do tempo, seja por doenças ou mudas vocais, como a adolescência, ou por hábitos inadequados, como o fumo, bebidas alcoólicas, uso de drogas e medicamentos sem prescrição médica. Kátia destaca situações em que fazemos o uso incorreto da voz. “Evitar gritar, pigarrear, falar alto ou por um tempo prolongado em um tom mais alto ou em ambiente com muito ruído, muita poeira, ar condicionado.” Todas essas situações podem danificar sua voz, por esse motivo o ideal é se poupar o máximo possível.

Hidratação

Hidratação é a palavra-chave no cuidado com sua voz. A fonoaudióloga lembra que beber água ao longo do dia ajuda na prevenção de problemas, assim como evitar alimentos que possam favorecer o refluxo gastroesofágico ou laringofaríngeo, cuidar do hábito do sono e ter tempo para o lazer. Também é importante evitar estresse muito intenso, que gere tensão corporal, o que vai interferir na produção da voz e na sua comunicação.

Estados de rouquidão persistentes, por mais de 15 dias, merecem atenção e uma avaliação médica. Exercícios ou técnicas vocais divulgadas na internet podem não fazer bem para a sua voz, já que cada pessoa tem características próprias, assim o ideal é procurar a ajuda de um fonoaudiólogo, que irá fazer o tratamento adequado. 


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.