Crise sanitária reforça importância da telemedicina na ampliação dos cuidados em domicílio

“O conjunto da telemedicina é o uso dos recursos interativos digitais para possibilitar ao médico a continuidade do atendimento mesmo não presencialmente”, explica Chao Lung Wen

 20/05/2021 - Publicado há 6 meses
Por
Telemedicina – Foto: Juliana Valença – Flickr

 

Há mais de um ano foi sancionada a Lei 13.989/2020, que instituiu o uso da telemedicina durante a crise causada pelo coronavírus (sars-cov-2) no País. Segundo Chao Lung Wen, chefe da disciplina de Telemedicina da Faculdade de Medicina da USP e líder de grupo de pesquisa USP em Telemedicina e Tecnologias Educacionais no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, “essa lei reforça o que é o potencial do uso das teletecnologias assistenciais para o atendimento não presencial. A pandemia reforça uma experiência para a área médica do exercício profissional, mesmo com o paciente não presencial. Nos cabe aprimorar cada vez mais a técnica da teleassistência usando as teletecnologias”.

A telemedicina existe desde a década de 60, mas era colocada de lado, como lembra Wen. “Antes da pandemia, nós acabamos procrastinando muito a incorporação dessa modalidade de atendimento, por admitir que não haveria necessidade e que nós poderíamos centrar totalmente no presencial.” A resolução 1643, que, por enquanto é a vigente, é de 2002, não sendo recente nem uma revolução. 

O teleatendimento, uma das categorias da telemedicina, facilita a melhoria do sistema de saúde na área médica, criando conceito de uma telemedicina de logística, ampliando os cuidados em domicílio. Segundo Wen, esse potencial “é de uma evolução, uma expansão e uma melhoria no modelo de assistência médica quando se incorpora a telemedicina na medicina”. O conjunto da telemedicina é o uso dos recursos interativos digitais para possibilitar ao médico a continuidade do atendimento mesmo não presencialmente.

Nesse atendimento virtual, assim como em qualquer outro, há o risco de vazamento digital. Por esse motivo, os médicos precisam ter muito cuidado ao escolher a plataforma que irão utilizar. Wen explica que “os profissionais, antes de fazerem ou praticarem o atendimento de telemedicina, devem fazer um curso sobre bioética digital, telepropedêutica e segurança digital e, no caso desta, devem aprender as diretrizes básicas na escolha da ferramenta tecnológica para interagir com o paciente. O que não pode ocorrer é achar que o uso de WhatsApp, Instagram, Facebook ou e-mail possa ser considerado como telemedicina. É muito importante aprender sobre a segurança e a privacidade dos dados, usando websites seguros e, se for registro em prontuário eletrônico, também tem que ser com segurança digital. Isso é o mínimo que tem de ser feito para exercer a prática profissional por meio de tecnologia digital”.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.