Crise recente com China ressalta isolamento diplomático do Brasil

Alberto do Amaral entende que o relacionamento do Brasil com a China prejudica os negócios do País, por isso, a política externa brasileira necessitaria de mudanças urgentes

Por
Brasil e China hoje, relações comerciais Brasil e China
Existe uma crise diplomática não só com a China, mas também com outros países – Foto: Matthew Britt/Flickr-CC

Recentemente, acompanhamos a dificuldade que o Brasil enfrentou, junto à China, para garantir a importação dos insumos para as vacinas contra a covid-19. Não se trata de um fato isolado, na verdade, o Brasil é que está isolado diplomaticamente, por causa de alianças erradas, como a feita com o ex-presidente Donald Trump. A política externa brasileira é feita por ideologias. O governo nega a pandemia de coronavírus e faz duras críticas à vacina produzida naquele País, sobre sua confiabilidade e eficácia.

O professor de Direito Internacional, Alberto do Amaral Junior, da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, colunista da Rádio USP,  afirma que “existe uma crise diplomática não só com a China, mas também com outros países”.  O professor ressalta as críticas feitas por integrantes do governo brasileiro à China. A pior delas foi feita pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro, que também é filho do presidente e presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara, quando disse que havia a prática de espionagem por meio de sua rede de tecnologia 5G. Pequim acionou o Itamaraty para reclamar da publicação de Eduardo Bolsonaro nas redes sociais, posteriormente apagada por ele.

Para a diplomacia chinesa, o parlamentar “solapou” a relação amistosa entre os países com declarações “infames” e, na época, houve a ameaça de que o  Brasil poderia arcar com consequências negativas. O ex-ministro Abraham Weintraub, “fez críticas acerbas e racistas”, provocando a ira do embaixador chinês no Brasil, que respondeu prontamente. A relação do Brasil vem se complicando não só com o país asiático, mas com os principais blocos econômicos mundiais. E, por falar em economia, o governo de Xi Jinping vem financiando projetos agrícolas importantes na África, em regiões que têm um clima e solo parecidos com os do Brasil, para a produção de soja, principal produto importado do País. Já existe inclusive entendimentos também para aumentar a produção da oleaginosa na Rússia e na Ucrânia.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.