Crise na democracia e não crise da democracia

A população está cansada da corrupção, do desemprego e da precariedade dos serviços públicos – e em especial da violência

Nesta semana, o professor Pedro Dallari trata da questão que se tem colocado sobre a crise ou não da democracia no Brasil e em outros lugares do mundo. “Não se trata propriamente de uma crise da democracia”, observa ele, “mas uma crise na democracia, de como o poder público está sendo exercido: é isso que vimos, por exemplo, no Brasil, em que o processo eleitoral foi marcado – independentemente do resultado – por uma profunda insatisfação dos eleitores com os políticos e governantes ao longo das últimas décadas, forças que se mantiveram no poder durante muitos anos, o que tem ocorrido também em muitos lugares do mundo”, analisa.

Por que a população se manifestou dessa forma? Segundo Dallari, não é porque ela esteja adotando valores de extrema direita, antidemocráticos. A população está cansada da corrupção, o que ocorre em outros países também, do desemprego (já são 13 milhões de desempregados em nosso País) e da precariedade dos serviços públicos, em especial a segurança pública, que afeta principalmente a população mais pobre.

Ouça no link acima a íntegra da coluna Globalização e Cidadania.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  • 3
  •  
  •  
  •  
  •