Crime que vitimou Marielle foi além da morte em si

Para Guilherme Wisnik, mentiras sobre a vida da vereadora são outra forma grave de violência

Professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU), Guilherme Wisnik discorre sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco, em crime ocorrido no Rio de Janeiro, no dia 14 de março.

“É impressionante o quanto esse fato trouxe à tona e expôs a situação brasileira de uma forma caleidoscópica”, analisa.

“São duas formas de violência que se combinam: a violência física, a morte de Marielle, e a violência midiática, com a criação dessas fake news“, reflete Wisnik. O comentarista critica “as mentiras todas que foram feitas pelo MBL, por deputados da bancada da bala, por desembargadora, essa gente horrível que quer matá-la pela segunda vez”.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •