Corte no orçamento habitacional não ajuda a melhorar crise de moradia em SP

O limite para a construção de moradias foi reduzido em relação aos recursos liberados no ano passado – quem sofre são as classes menos favorecidas

Até o final deste ano, a Prefeitura da capital pretendia entregar 21 mil moradias populares, na tentativa de pelo menos reduzir o déficit habitacional que, na cidade de São Paulo, é de 474 mil habitações. Ocorre, porém, que o corte de R$ 1 bilhão no orçamento estadual de habitação, imposto pelo governador João Doria, tornou aquela meta inviável, já que a lei orçamentária aprovada limita em R$ 732 milhões o orçamento da habitação em São Paulo contra R$ 1, 68 bilhão em 2019. O corte, portanto, foi de R$ 948 milhões, o que significa que o setor ficou com parcela equivalente a 0,3% dos R$ 239 bilhões previstos para o orçamento total do Estado.

Foto: PIxabay – CC

O professor João Sette Whitaker, do Departamento de Projetos e Pesquisas do Laboratório de Habitação da FAU (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo), lembra que as classes menos favorecidas são as que mais sofrem com o corte do orçamento para moradias e diz que faltam políticas públicas para dar uma solução para o problema, que não se resume a “como fazer”, mas em “querer fazer”. Ou seja, não há um desejo real de melhorar a situação e a realidade de milhares de pessoas que sofrem com a falta de moradia, o que, por outro lado, é algo antieconômico, pois todos sairiam ganhando com uma ação mais igualitária por parte dos detentores do poder.

Acompanhe, pelo link acima, a íntegra da matéria.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.