Coração de Chopin é conservado em “conhaque”

Professor José Antonio Marin-Neto (FMRP) explica como isso é possível. Tuberculose pode ter matado o compositor

Por - Editorias: Atualidades, Rádio USP
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
Pilar onde foi enterrado o coração de Frédéric Chopin, na igreja de Santa Cruz, em Varsóvia, na Polônia – Foto: Nihil novi / Domínio Público via Wikimedia Commons

O coração do pianista polonês Frédéric Chopin está conservado, há 168 anos, em um jarro com líquido semelhante ao conhaque e é analisado pela Academia Polonesa de Ciências desde 1945. De acordo com informações veiculadas pela imprensa, a nova contribuição dos profissionais sobre a morte do pianista é que ela tenha ocorrido por uma rara complicação de tuberculose crônica.

O músico é um dos maiores compositores da história e morreu precocemente, aos 39 anos de idade. Seu coração foi colocado dentro de um dos pilares da igreja de Santa Cruz, em Varsóvia, na Polônia, conforme seu pedido.

O professor José Antonio Marin-Neto, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP, conta que o coração poderia ser conservado por tempo indefinido.  “Eu não me surpreenderia se o coração conservado nesse conhaque, que é o melhor dos brandies, estivesse intacto.”

Além disso, ele explica que, para a conclusão exata da causa da morte, seria necessário abrir o coração. Entretanto, os profissionais estão com receio de retirar o órgão do líquido por temor de que sofra degradação.

Por Giovanna Grepi

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados