Contradições no governo não ajudam no combate à pandemia

Gustavo Justino acredita que a ausência de um canal único de informação sobre a covid-19 confunde a população e coloca governos em conflito

Foto: Caio de Benedetto / USP Imagens

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) dão indícios de preocupação com possíveis medidas do presidente Jair Bolsonaro de diminuição do isolamento social, indicado para conter o avanço da pandemia do coronavírus. O Jornal da USP no Ar conversou com Gustavo Justino, professor do Departamento de Direito do Estado da Faculdade de Direito (FD) da USP, sobre as decisões tomadas pelo STF até o momento e as consequências dos desentendimentos entre os poderes governamentais.

O isolamento social é a principal medida para conter o avanço da doença, e está sendo adotado em vários países. No Brasil, o presidente é contra a medida, defendendo a retomada da economia o mais rápido possível, o que tem feito com que ministros, Estados e municípios tomem decisões independentes para seguir as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS). Para o especialista, isso é possível por conta do Pacto Federativo vigente: “Nessa situação excepcional que estamos vivendo, temos adotado a chamada jurisprudência de crise, que permite o posicionamento do STF que vemos hoje. Vale ressaltar que a Constituição Federal continua valendo e as unidades do governo estão seguindo os padrões mundiais, como decretar estado de calamidade pública e de estado de emergência em saúde pública”.

Segundo o professor, o maior problema é a confusão da população diante do conflito de informações fornecidas pela Presidência e pelos outros órgãos públicos. “Um dos efeitos mais negativos do tratamento da pandemia pelo governo federal é a não estruturação de um canal mais harmônico de informação à população, por conta da postura da Presidência, que apoia medidas que contradizem as unidades técnicas do próprio governo. Parece-me que as decisões do STF têm sido mais harmoniosas e alinhadas ao modo de enfrentamento da doença em relação às diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS), partindo de decisões individuais dos ministros”, explica Justino.

Justino considera que o STF está atento não só às medidas sanitárias necessárias, mas também à tentativa de centralização das decisões junto ao Poder Executivo, mais especificamente, na figura do presidente. Saiba mais ouvindo a entrevista na íntegra.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.