Consumo moderado de álcool ajuda organismo em caso de ataque cardíaco

Pesquisa de professor da USP analisa “memória” criada pelo organismo, que ajuda no preparo para grandes estresses

jorusp

É sabido que o consumo de álcool em excesso é prejudicial à saúde, mas, há pelo menos vinte anos, pesquisas vêm mostrando que o consumo em doses moderadas pode ter efeito cardioprotetor. O motivo pelo qual essa proteção acontece é o objeto de estudo do professor Júlio César Batista Ferreira, do Departamento de Anatomia do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da USP.

O estudo da proteção ao coração através do consumo de pequenas doses de álcool vem a partir de uma demanda da sociedade, que tinha conhecimento que o consumo poderia trazer benefícios, contudo, o porquê desse acontecimento continuava nebuloso, como conta Ferreira.

Através da ingestão de doses mínimas que poderiam induzir à proteção, utilizando como base a quantidade indicada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foram analisados os comportamentos de organismos de animais. Na sequência da ingestão, foi induzido o ataque cardíaco, assim como acontece nos humanos, concluindo que, postas essas condições, o dano era menor.

Foto: Marcos Santos / USP Imagens

A proteção, entretanto, não advém do álcool em si, mas de uma classe de moléculas que faz com que, ao ser consumido, seja rapidamente metabolizado – os acetaldeídos. Normalmente, esses aldeídos são metabolizados mais lentamente. Segundo o professor, o acúmulo dessas moléculas faz com que o coração seja protegido.

“As pequenas quantidades ingeridas acabam causando um estresse no organismo. O organismo cria uma memória contra esse estresse, e quando vêm o estresse maior, já sabemos como lidar,” explica.

A pesquisa ainda alerta que a quantidade de álcool ingerido também é um ponto relevante. “Estamos em uma situação que o álcool protege, mas também pode agravar o dano, dependendo de cada indivíduo.” Em grandes doses, o estresse enfrentado pelo organismo é maior que o necessário, fazendo com que não sirva apenas como uma “memória”, mas que promova um colapso.

Jornal da USP no Ar, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular. Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

Textos relacionados