Consumo de carne é o maior inimigo da alimentação sustentável no Brasil

Estudo mostra que 50% do impacto ambiental causado por hábitos alimentares no País vem da carne vermelha

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

jorusp

Alimentação e sustentabilidade, dois termos com universos de complexidade distintos que, quando unidos, expandem ainda mais a discussão e sua importância para a sociedade. Muitas informações sobre esses conceitos circulam entre a população, mas nem sempre embasadas suficientemente em evidências, ou com fontes confiáveis. Desse problema surgiu a iniciativa do SustentAREA – núcleo de extensão universitária da USP – em criar um manifesto (disponível neste link) que sintetize as informações circulantes que são verdadeiramente úteis.

O manifesto surge como síntese de diversas evidências científicas na área, mostrando o que é alimentação sustentável, sua importância para o mundo e, além disso, mostra como essa forma de alimentação pode ser feita pela população através de ações diárias simples”, contou ao Jornal da USP no Ar a nutricionista, Doutora em Nutrição em Saúde Pública, Aline Carvalho, da Rede Alimentar SustentAREA. A professora  responsável pelo projeto é Dirce Marchioni, do Departamento de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP.

Aline explica que a união de termos em “alimentação sustentável” forma um conceito complexo a se resolver, mas que pode ser definido basicamente como uma alimentação que tem baixo impacto no meio ambiente e que tem uma relação positiva com a saúde. A nutricionista pontua que não é simples compilar todas as informações disponíveis e chegar a conclusões definitivas nessa área, entretanto, o SustentAREA conseguiu construir um caminho a se seguir dentro da alimentação sustentável ao analisar algumas peculiaridades da dieta brasileira.

Foto: Revital9/ Flickr via Wikimedia Commons

O alto consumo de carne vermelha e processados e o baixo consumo de frutas, verduras, legumes e cereais integrais são dois grandes exemplos das diretrizes tiradas do manifesto. O primeiro, responsável por 50% do impacto ambiental no País, está amplamente associado ao aumento do risco de câncer, de doenças do coração e diabete, que – segundo Aline – são as doenças que mais matam no Brasil. Já o segundo exemplo mostra como o brasileiro tende a preterir o consumo de alimentos cuja produção demande menos recursos naturais.

A partir das informações que dizem respeito à dieta do brasileiro, o manifesto construiu um capítulo especialmente para mostrar algumas atitudes que podem ser tomadas pela população em seu dia a dia para diminuir os impactos de sua alimentação. O primeiro e principal é a redução do consumo de carne. No entanto, Aline Carvalho explica que não é necessário virar vegetariano, a redução pode ser feita através da quantidade também.

Ela mostra que a substituição das proteínas provenientes da carne pode ser obtida através do consumo de grãos como ervilha, lentilha, o feijão comum, grão-de-bico e soja, que possuem alto teor proteico. Além disso, se eles são consumidos juntos com cereal como o arroz, por exemplo, formam uma proteína completa muito semelhante à da carne.

A nutricionista conclui comentando que atitudes que transcendem a dieta em si, como procurar saber a forma de produção de alimentos, a forma como foi transportado e dar atenção especial ao armazenamento dos produtos para evitar desperdício, podem também ajudar imensamente na redução dos impactos ambientais da alimentação.

Mais informações podem ser obtidas no site do SustentAREA, disponível neste link.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP, Faculdade de Medicina e Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •