Consumo de alimentos ultraprocessados cresce mais de 50% na América Latina

Relatório da OMS aponta que alimentos que estão nessa categoria são a provável principal causa de doenças crônicas

Foto: Flickr-CC

A Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou, em 2018, no Brasil, um relatório sobre o consumo de alimentos ultraprocessados na América Latina. Apesar de os países mais ricos serem os principais consumidores, em volume, desse tipo de alimento, o relatório apontou que o consumo de ultraprocessados cresceu em mais de 50% nos países de baixa renda entre os anos 2000 e 2013.

O Brasil está na 34ª posição da venda per capita de alimentos e bebidas ultraprocessados no ranking mundial. A pesquisadora do Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde da USP, Ana Paula Bortoletto, projeta que, até 2024, o preço de ultraprocessados será menor que o preço dos alimentos in natura e minimamente processados, o que provavelmente vai influenciar no aumento das vendas.

Ela ainda sugere meios de diminuir a demanda por alimentos que estão inseridos nessa categoria. Ouça a reportagem no player acima.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.