Consumidor pode inserir energia produzida na rede de distribuição

Pesquisadores contam que as redes inteligentes têm quebrado padrões ao integrar usuários à rede

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

jorusp

Pesquisas desenvolvidas no mundo todo têm apontado para alternativas aos modelos tradicionais de distribuição de energia por meio de redes inteligentes, que possibilitem a integração de todos os usuários do serviço à rede. No Brasil, o Laboratório de Metrologia Elétrica do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) foca seus estudos na capacitação voltada para a construção das smart grids e no desenvolvimento de medidores de energia adequados aos novos modelos de distribuição energética, ainda incipientes no país. As informações são de Arthur Martins e Fabrício Torres, técnicos do IPT.   

 

Painéis de energia solar. Foto: Marcos Santos/USP Imagens

 

Os pesquisadores contam que hoje é possível um consumidor construir formas de produzir sua própria energia, como painéis solares, e inserir a energia gerada na rede geral de distribuição, ainda que o custo seja elevado. No Brasil apenas 26 mil usuários estão no cadastro de geração distribuída, mas em países da Europa esse número chega perto de 10% dos usuários. Quando a energia produzida não é completamente utilizada, o excedente é lançado na rede, e se converte em desconto nas faturas seguintes.

Martins conta que um dos grandes motores dessa mudança é a tecnologia da informação sendo empregada na construção dos medidores de energia e automação de controle do fluxo da energia. Torres conta que os “relógios de luz” convencionais medem a energia consumida de forma unidirecional. Na nova forma, em que o próprio consumidor pode gerar energia para a rede, o medidor precisa ser bidirecional. A implementação dos novos medidores teria um custo, mas a longo prazo poderia representar uma redução de gastos, conclui o pesquisador.

Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular. Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados