Conservadorismo bancário influencia taxa de juros

Especialista explica os inúmeros fatores relacionados às taxas altas praticadas no País

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

jorusp

Segundo estudo realizado por um banco suíço atuante no Brasil, os juros dos bancos não acompanham o recuo da inadimplência. De acordo com a pesquisa, a taxa de juros deveria ser de 37,6% ao ano, quando, na realidade, o valor é de 57,7%. Márcio Issao Nakane, professor do Departamento de Economia da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP, falou sobre o nível elevado das taxas de juros.

Na opinião do professor, o banco suíço errou ao elaborar o estudo. Isso porque a simulação é feita com base nas taxas que vão até 2014 e o cenário foi imaginado entre 2015 e 2017. Segundo ele, nesse período de três anos, a taxa Selic e a taxa de empréstimo continuaram aumentando. Portanto, se o trabalho tinha a intenção de falar sobre os dias atuais, deveria ter feito a simulação a partir do momento em que a Selic começou a cair, o que aconteceu a partir de outubro de 2016. Entretanto, para o especialista, ainda que o banco tenha errado na comparação, acerta em classificar a taxa de 57,7%  muito alta.

Foto: Tumisu via Pixabay – CC

Ele explica os inúmeros fatores que estão relacionados a esse alto valor: inadimplência, a questão regulatória, os custos administrativos no Brasil, que são muito altos para os bancos, e também o conservadorismo desse setor. Essa característica  gera um sistema bancário muito sólido do ponto de vista financeiro, mas, em contrapartida, os bancos se arriscam pouco. O fato de poucos bancos dominarem esse mercado também dificulta. Além disso, a conjuntura política atual também tem efeito negativo. Contudo, o professor ressalta que a redução dos juros está acontecendo, só que de forma lenta.

Para Nakane, é necessário ter ações de todos lados: do Banco Central, do governo, dos bancos, dos consumidores, etc. Ele ressalta a importância de inovações nesse mercado, pois os momentos onde foram observadas reduções de taxas de crédito estão relacionados a novidades, como crédito consignado e o financiamento de automóveis. Segundo o economista, isso sinaliza a importância de se ter boas garantias com taxas baixas.

Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular. Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados