Conscientização marca importância da doação de medula óssea

Professor Vanderson Rocha explica como se dá o procedimento e indica sua importância no tratamento de doenças como a leucemia

 17/09/2021 - Publicado há 1 mês
O transplante de medula óssea não é uma cirurgia. O procedimento é feito através de uma transfusão de células – Foto: Wiikimedia Commons

 

O próximo final de semana será marcado pela conscientização da doação de medula óssea. Esse procedimento, que entrou em baixa durante o período da pandemia, serve para tratar principalmente doenças como a leucemia aguda. Para contribuir com a causa, os que se interessarem em fazer a doação devem se cadastrar.

O lembrete aparece não só para aqueles que querem doar as células da medula óssea, mas também para aqueles doadores que já estão registrados e que devem comunicar ao registro possíveis mudanças de endereço. “O que nós temos visto é que muitas vezes identificamos um doador e não conseguimos mais encontrá-lo no momento da doação”, afirma o professor Vanderson Rocha, titular da Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular da Faculdade de Medicina da USP ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição.

Rocha também explica que o transplante de medula óssea não é uma cirurgia. O procedimento é feito através de uma transfusão de células. “A medula óssea não é um órgão, e sim um tecido”, completa. Estando presentes em ossos de todos os organismos, as células da medula óssea são retiradas mais facilmente de ossos da bacia. Além disso, o transplante de medula óssea é feito principalmente para o tratamento de doenças do sangue, como leucemias agudas e aplasias de medula.

Segundo Rocha, no mundo existem 40 milhões de doadores voluntários. Nesse cenário, o Brasil ocupa o terceiro maior país em registro de doações. Com 5 milhões de doadores registrados, ele só fica atrás de Estados Unidos e Alemanha. Nem todos os registrados, porém, de fato doam. Muitas vezes, isso não acontece por não haver compatibilidade entre doador e paciente.

Para ser um candidato, é preciso estar abaixo de 35 anos de idade e se registrar em um banco de sangue ou hospital. Mais informações podem ser encontradas no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea. Em São Paulo, o cadastro de doadores é feito pela Santa Casa. O processo também é marcado por um teste de compatibilidade.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.