Confiança dos empresários atinge menor nível desde outubro

Cenário de pessimismo coíbe investimento privado, prejudicando retomada econômica

Foto: Sevs/Wikimedia Commons

A confiança dos empresários atingiu o menor nível desde outubro, aponta o Índice de Confiança Empresarial (ICE) da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Os dados agregam as sondagens da indústria de transformação, serviços, comércio e construção, representando mais de 50% da economia nacional. O professor Luciano Nakabashi, do Departamento de Economia da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (FEA-RP) da USP, comenta sobre as consequências dessa percepção negativa do empresariado para a retomada econômica.

Nakabashi explica que, como todo índice, o ICE é construído a partir de uma base de dados. No caso, essa base é composta basicamente de condições atuais, como demanda e situação do mercado, além de expectativas e projeções para os próximos seis meses. Segundo o professor, o impacto do baixo nível de confiança empresarial é negativo para a retomada econômica. O investimento, público ou privado, é uma variável fundamental para o desenvolvimento econômico, mas o cenário de pessimismo coíbe investimentos.

O governo precisa emplacar reformas que busquem estabilidade macroeconômica e aumento da produtividade, enfatiza Nakabashi. A confiança do empresariado irá crescer quando houver equilíbrio nas contas do governo central e, consequentemente, os investimentos voltarem a fazer parte do cenário econômico nacional.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •