Composta na década de 1930, canção antirracista continua atual

A canção, tanto tempo depois de seu aparecimento, continua contemporânea ao falar dos linchamentos simbólicos de hoje

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

 

Música Strange Fruit, composta em 1937 e eternizada na voz de Billy Holiday, é considerada hino contra a intolerância - Imagem: Montagem sobre fotos/Wikimedia Commons
Música Strange Fruit, composta em 1937 e eternizada na voz de Billie Holiday, é considerada hino contra a intolerância – Imagem: Montagem sobre fotos/Wikimedia Commons

Em sua coluna desta semana, o professor Ricardo Alexino Ferreira fala da música Strange Fruit (Estranhos Frutos, em tradução literal), composta em 1937, eternizada na voz de Billie Holiday e considerada um hino contra a intolerância. De autoria do professor de inglês judeu Abel Meeropol, a letra trata do linchamento de dois negros nos Estados Unidos: Thomas Shipp e Abram Smith, presos em Indiana, em 1930, por acusação de roubo e estupro, ato posteriormente negado pela suposta vítima.

Billie Holiday conseguiu gravar Strange Fruit em 1939, em uma gravadora independente, e a música fez grande sucesso, tornando-se uma das mais executadas nos Estados Unidos e no restante do mundo.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados