Como lidar com a dor da morte depois de uma tragédia

A morte, quando atinge jovens, principalmente jovens envolvidos com um esporte amado pelos brasileiros, sempre provoca uma comoção maior

Por - Editorias: Atualidades, Rádio USP
Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail
Foto: Cr Wilson Pardo/ ‏@Policiantioqui
Para a professora Elaine Gomes dos Reis Alves, no momento da perda é difícil entrar em contato com essa dor da realidade. Foto: Cr Wilson Pardo/ ‏@Policiantioqui

 

logo_radiousp790px
.
O acidente com o avião que transportava a delegação da Chapecoense, na madrugada da terça-feira (29), na cidade de La Unión, perto de Medellín, na Colômbia, causou comoção nacional. As autoridades colombianas confirmaram a morte de 71 pessoas. A delegação da equipe de Santa Catarina era composta de 22 jogadores, 21 jornalistas e três convidados. Três jogadores conseguiram sobreviver, além do jornalista Rafael Henzel e dos tripulantes Ximena Suarez e Erwin Tumiri, num total de seis sobreviventes. As causas do acidente ainda são desconhecidas – por enquanto, existem apenas especulações.

Tragédia consumada, resta saber lidar com a dor da perda, que afeta principalmente as famílias das vítimas, mas não somente elas, já que todo o País, de uma forma ou de outra, sente o impacto do ocorrido. “A compreensão, na verdade, é bastante difícil. É uma morte traumática e inesperada, que vai levar muito tempo para ser assimilada”, diz, em entrevista à repórter Simone Lemos, a professora Elaine Gomes dos Reis Alves. Pesquisadora do Laboratório de Estudos sobre a Morte, do Instituto de Psicologia da USP, ela entende que o velório é um momento muito importante, pois é um ritual que implica na possibilidade da aceitação e da despedida dos entes queridos.

 

 

 

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail