Colunista adverte para a quarta onda reacionária, que está “a pleno vapor”

José Eli da Veiga analisa fatos que mostram como vem acontecendo uma série de ondas reacionárias no mundo

Neste final de semana completará três anos do assassinato da deputada trabalhista britânica Helen Joanne Jo Cox, conhecida simplesmente como “Jo Cox”. Ela atuou na campanha a favor da permanência do Reino Unido na União Europeia e foi assassinada no dia 16 de junho de 2016. “Trata-se do fato que talvez mais simbolize a quarta onda reacionária da história, desde a Revolução Francesa, e que está a todo vapor”, analisa José Eli da Veiga. De acordo com o colunista, alguns acontecimentos anteriores poderiam sugerir que a quarta onda reacionária já teria começado. “Mas foi a partir deste fato que ela tomou impulso”, afirma.

Segundo Eli da Veiga, logo após a Revolução Francesa, houve uma onda reacionária que colocava em questão a afirmação dos direitos civis, ou o componente civil da cidadania. Mais tarde, entre o fim do século 19 e início do 20, houve uma segunda onda reacionária, principalmente no repúdio ao sufrágio universal – pleno direito ao voto de todos os cidadãos adultos – que ocorreu na Alemanha, na Rússia e na Itália. Uma terceira onda, segundo o colunista, só se deu na década de 1980, com a contestação dos direitos que foram obtidos durante o chamado welfare state, o Estado do bem-estar. Eli da Veiga lembra que uma explicação minuciosa e teórica sobre as ondas reacionárias foi dada há alguns anos pelo professor Albert Hirschman, de Harvard, no livro A Retórica da Intransigência. “O livro, traduzido em português, infelizmente já está esgotado”, lamenta o colunista. Esta quarta onda, que Eli da Veiga considera difícil de explicar, foi tema do artigo Planeta dos Estranhos, assinado pelo colunista e veiculado no jornal Valor Econômico do dia 29 de maio.

Ouça no link acima a íntegra da coluna Sustentáculos.


Sustentáculos
A coluna Sustentáculos, com o professor José Eli da Veiga, vai ao ar toda segunda-feira às 8h00, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •