Hospital Universitário discute os riscos embutidos nos cigarros eletrônicos

A médica Stella Regina Martins, especialista em dependência química, foi a palestrante

O atual cigarro eletrônico que conhecemos já está em sua quarta edição – os primeiros surgiram em 2014, eram descartáveis e não recarregáveis. Atualmente, a indústria os chama de vaporizados. Esses equipamentos possuem três substâncias letais: o propileno glicol, o glicerol e o etileno glicol, como explicou a especialista em dependência química Stella Regina Martins, convidada a realizar uma palestra sobre cigarros eletrônicos no Hospital Universitário  da Universidade de São Paulo.

Os riscos ao se inalar os gases desses cigarros são muitos, desde a asma até o infarto. O colunista João Paulo Lotufo conversou com a repórter Simone Lemos sobre o tema na coluna desta semana. A novidade que chega agora é o JUUL, um cigarro eletrônico na forma de um pen drive, que tem oito sabores e que tem em sua composição ácido benzoico, substância capaz de causar Alzheimer.

Acompanhe, pelo link acima, a íntegra da coluna Doutor Bartô e os Doutores da Saúde, na qual João Paulo Lotufo conversa com a repórter Simone Lemos.


Dr. Bartô e os Doutores da Saúde
A coluna Dr. Bartô e os Doutores da Saúde, com o médico assistente do Hospital Universitário da USP João Paulo Lotufo, vai ao ar toda terça-feira às 10h00, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.