Cientistas estrangeiros renomados vêm a São Paulo discutir inovação

Programa da Fapesp propicia intercâmbio visando ao desenvolvimento de ciência e tecnologia, explica coordenador

jorusp

O Insyspo (Sistemas de inovação, estratégias e políticas) é um programa da São Paulo Excellence Chair (SPEC) fundada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Sua principal função é trazer pesquisadores de todo o mundo (sobretudo dos Estados Unidos, União Europeia e Ásia) às universidades de São Paulo, facilitando o desenvolvimento de seus campos de atuação. Eles ficam no Brasil durante três meses por ano, e por um período de cinco anos. Seu principal coordenador é o professor da George Washington University, Nicholas Vonortas.

Para entender seu funcionamento, o Momento USP Inovação desta semana conversa com o professor Sérgio Robles Reis de Queiroz, do Departamento de Política Científica e Tecnológica do Instituto de Geociências da Unicamp e coordenador adjunto do programa. “São quatro principais áreas de atuação: sistemas de inovação, comandado pelo professor Vonortas; avaliação de políticas e programas de ciência, tecnologia e inovação; parcerias estratégicas e formação de redes; e empreendedorismo intensivo em conhecimento”, esmiúça Robles.

Fotomontagem

O professor convida para dois eventos oferecidos pelo programa. “O primeiro será um simpósio internacional na Unicamp, que ocorrerá nos dias 3 e 4 de julho e tratará de catching up tecnológico e econômico. Isto é, recuperação do tempo perdido nessas áreas em relação aos países desenvolvidos. O segundo, na sede da Fapesp, em São Paulo, no dia 5 do mesmo mês, um workshop retomando o assunto, mas com outro foco. Falará de avaliação de políticas de ciência, tecnologia e inovação.”

Segundo Robles, o Brasil conseguiu essa recuperação em alguns períodos da história, mas encontra-se estagnado; às vezes, retrocedendo. “Até a década de 70, o Brasil era o país que mais crescia no mundo junto ao Japão. No entanto, parou de 1980 em diante”, argumenta. Ele cita a Coreia do Sul como exemplo de sucesso, numerando seu PIB per capita, equivalente hoje a 70%  do dos Estados Unidos. A China, que já teve 5% da renda por pessoa dos membros da OCDE, hoje encontra-se no mesmo patamar, na verdade passou por pouco em 2017. “A universidade é uma das condições importantes para essa retomada e cumpre bem seu papel. Porém, não é a única responsável”, defende o professor.

Ambos os eventos serão gratuitos. As inscrições se estendem até a data do acontecimento e podem ser feitas neste link.

 


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP, Faculdade de Medicina e Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •