Cátedra de Educação Básica terá foco na valorização dos professores

Parceria entre IEA e Itaú Social promoverá discussões sobre experiências inovadoras dos profissionais

jorusp

Identificar medidas que subsidiem políticas para o ensino básico, a partir da análise de experiências inovadoras e de ações relacionadas à formação e desenvolvimento profissional de professores. Esse é o principal objetivo da Cátedra de Educação Básica, lançada a partir de convênio entre a USP, o Itaú Social – patrocinador da iniciativa –  e a Fundação de Apoio à Universidade de São Paulo (Fusp). O convênio terá duração de cinco anos, podendo ser renovado. Resultado de um trabalho realizado pelo Grupo de Estudos Educação Básica Pública Brasileira: Dificuldades Aparentes, Desafios Reais, a cátedra irá receber R$ 5 milhões do Itaú Social para a realização de suas atividades, divididos em aportes anuais de R$ 1 milhão. As recomendações da cátedra serão formuladas a partir de debates com especialistas no setor, atividade que possibilitará também a sistematização de informações fundamentadas sobre experiências pontuais e políticas educacionais nos três níveis de governo.

O Jornal da USP no Ar conversou com o professor Nilson José Machado, da Faculdade de Educação e coordenador do Grupo de Estudos sobre Educação do Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP, e com a professora Juliana Yade, pedagoga e especialista em educação do Itaú Social. Machado explica o que a cátedra pode significar ao desempenhar o seu papel de auxílio à educação. “Ela representa uma consciência máxima de que qualquer ação que a gente queira realizar e que chegue, realmente, ao fim da linha, precisa de parcerias, precisa superar certas oposições. Outra marca forte da cátedra, principalmente nesse semestre de atividades, é o foco nas ações do professor, o professor da educação básica como parceiro. O que a gente quer, logo de cara, é incluir os professores das diferentes áreas para planejar os outros oito ou nove semestres de atividades com eles.”

IEA e Itaú Social lançam Cátedra de Educação Básica – Foto: Divulgação PM Sobral via IEA

Juliana afirma que a parceria que originou a cátedra é justificada na intenção e preocupação na área educacional. “Ela dialoga com essa nossa ocupação em pensar a educação pública e pensar a possibilidade de todos serem atendidos por essa educação que precisa ser de qualidade, que precisa garantir o acesso e a permanência das crianças e adolescentes que passam pelo espaços escolares.”  Ela também conta como vão funcionar os primeiros passos do projeto. “Serão três seminários que realizaremos ainda neste primeiro semestre, que vão tratar do profissionalismo e competência do professor, da ação do professor, planejamento, avaliação e a formação dele e como este professor — que está em sala de aula — pode nos trazer experiências inovadoras.”

Machado diz que, dentre outros pontos, o projeto ajudará na interpretação da visão do professor sobre a profissão. “O professor precisa ser tratado como profissional. E a ideia de profissionalismo é nebulosa, muitas vezes. Fica associada a uma carreira, uma ocupação, que não pode ser regulada exclusivamente pelo mercado e nem pode ser regulada exclusivamente pelo governo. A ideia de profissionalismo chama a atenção para a autorregulação. Precariamente, quem faz isso são os conselhos nacional, estadual e municipal de educação. Mas não é adequado porque eles são constituídos pelos governos. O profissionalismo exige a doação de si, entrega, mas ninguém faz isso a troco de nada. Se entrega em função de um projeto, do que se acredita. Vamos tentar articular essas motivações em projetos. A cátedra é um pequeno projeto, mas é exemplar no sentido de termos um projeto e mobilizarmos as pessoas em torno dele.”

Os eventos são abertos, mas há uma limitação de espaço. Ainda assim, é possível acompanhar pela internet, no site do IEA, sendo possível enviar perguntas. Os seminários serão aos sábados, das 9h às 18h, e o primeiro ocorrerá no dia 16 de março. E um detalhe das palestras: “Cada uma será transformada em um texto e em um vídeo de, no máximo, 15 minutos”, diz Machado.

jorusp

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  • 8
  •  
  •  
  •  
  •