Capoeira ajuda a acolher crianças afetadas por violência armada

Projeto desenvolvido no Haiti e na República Democrática do Congo pretende capacitar educadores

  • 6
  •  
  • 3
  •  
  •  

jorusp

Proteger crianças expostas à violência armada em países como o Haiti e a República Democrática do Congo é o objetivo do projeto Gingando pela Paz, desenvolvido pelo mestre Flávio Saudade, que promove na USP o evento A Capoeira em Ações de Proteção de Crianças Afetadas pela Violência Armada, no dia 25 de junho. A palestra pretende contar as experiências vividas através do projeto e capacitar educadores que queiram fazer parte.  

A metodologia inovadora da iniciativa promovida pela Embaixada do Brasil vem sendo desenvolvida desde 2008, tendo atendido mais de 1.500 crianças no Haiti. Vinicius Heine, mestre em capoeira e professor do Centro de Práticas Esportivas (Cepe) da USP,  comenta o projeto que retira as crianças das guerrilhas e de grupos armados.

As crianças chegam às atividades com bloqueios emocionais e sociais, e o trabalho desenvolvido prevê a recuperação da humanidade dos jovens traumatizados, fazendo com que eles possam voltar a ser crianças. “A gente prima pelo lúdico, o ensinar e o aprender através da brincadeira.” O projeto traz uma pedagogia sensível que, mais do que ensinar a capoeira, possui a intenção de fazer com que as crianças se desenvolvam nos aspectos sociais, afetivos e cognitivos, comenta Heine.

No Capão Redondo, região sul de São Paulo, existe também o projeto Porta Aberta, em que a capoeira e a cultura brasileira são trabalhadas com crianças e jovens em situação de vulnerabilidade. O projeto existe há 17 anos e proporciona a construção da noção de cidadania e da autoestima.

No mês de julho, acontece o Encontro Internacional de Formação em Capoeira Brincando Construímos a Paz, do qual participa uma série de educadores para discutir essa temática. Por esse motivo, há uma campanha de financiamento coletivo para quem quiser ajudar o projeto.

A palestra A Capoeira em Ações de Proteção de Crianças Afetadas pela Violência Armada será realizada no dia 25 de junho, às 12 horas, na Biblioteca Brasiliana, e às 19 horas, no Centro de Práticas Esportivas da USP.

Para mais informações sobre as palestras, acesse o site.

Jornal da USP no Ar, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93,7, em Ribeirão Preto FM 107,9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular. Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

  • 6
  •  
  • 3
  •  
  •  

Textos relacionados