Brasileiro não sabe investir nem se organizar financeiramente

Um estudo apontou que menos de 10% da população poupou ou investiu o seu dinheiro em 2018

Um dado assusta os especialistas financeiros: a

Foto: via Pixabay

penas 8% da população brasileira investiu o seu dinheiro no ano passado. A informação é do estudo Raio X do investidor brasileiro, publicado pela Associação  Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima).

Apesar do baixo porcentual de brasileiros que se preocupam em poupar, hoje em dia é muito mais fácil aprender sobre administração dos próprios recursos e investimentos, graças aos diversos blogs e canais na internet sobre o assunto. Entretanto, muitos deles enxergam que o fato se deve, na maioria das vezes, aos baixos salários e ao alto custo de produtos e serviços no Brasil.

Segundo a pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), as dívidas ou contas em atraso aumentaram neste ano de 23,1%, em fevereiro, para 23,4%, em março.

O professor Edgard Monforte Merlo, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (FEA-RP) da USP, diz que o consumidor brasileiro não procura se educar financeiramente devido à complexidade que associa ao tema.

Sobre a falta de organização financeira, o professor acredita que muito se deve à dificuldade de transparência dos preços que existiam na época em que a inflação era descontrolada no Brasil. A relativa estabilidade dos custos ainda é muito recente e o brasileiro não desenvolveu o hábito de se  planejar para o futuro.

Merlo ainda conta que o mundo está vivendo uma forte transformação, que exigirá dos jovens que organizem melhor o seu dinheiro, com o objetivo de garantir estabilidade no futuro. Ouça a entrevista no link acima.

 

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.