Brasil está entre os dez maiores países em número de suicídios

Alexandre Faisal propõe como prevenção a conscientização da população, a detecção e o tratamento precoce dos transtornos mentais

  • 118
  •  
  •  
  •  
  •  

O médico ginecologista da Faculdade de Medicina da USP, Alexandre Faisal, apresenta um panorama do suicídio no Brasil e no mundo e propõe alternativas para preveni-lo.

Faisal afirma que a cada 40 segundos ocorre um suicídio em algum lugar do mundo, são quase 2 mil pessoas que colocam fim à vida quase que diariamente. O suicídio responde por 1,4 % de todas as mortes no mundo, sendo a 18ª causa de morte, segundo dados de 2016.  “No Brasil, o  coeficiente é relativamente baixo, com 6,3%, mas é um país muito grande e populoso, o que nos coloca, em números absolutos, entre os dez maiores países com números de suicídios. É um dado que preocupa a nossa realidade”, destaca.

O suicídio é um mal silencioso, com muitos tabus e mitos, o que prejudica a prevenção. Em geral, é causado por fatores como perda de emprego, desilusão amorosa. Há o grupo de suicídios associado com transtorno mental, usuários de drogas e álcool. Para o médico ginecologista, esse grupo mais vulnerável precisa de um cuidado maior.

Como prevenção, Faisal destaca “a elaboração de estratégias nacionais e locais de prevenção do suicídio, a conscientização e o questionamento desses tabus entre a população, a detecção e o tratamento precoce dos transtornos mentais, o controle dos meios letais, como as armas de fogo e comércio de agrotóxicos e, principalmente, o treinamento de profissionais para lidar como uma situação tão difícil e dramática como é o suicídio”.

Ouça no link acima a íntegra da coluna Saúde Feminina.

  • 118
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados