Brasil conquista ouro na Olimpíada Internacional de Física

Para Airton Deppman é preciso incentivar a participação dos estudantes brasileiros nesse tipo de competição e abrir as portas da universidade para que eles permaneçam no País

 04/08/2021 - Publicado há 4 meses

 

Segundo Airton Deppman, o Brasil participa da IPhO há 20 anos e os resultados foram evoluindo durante esse período – Olimpiadas de Física – Foto: Reprodução

 

Além dos bons resultados já obtidos na Olimpíada de Tóquio, o Brasil participa de outra competição muito importante: a Olimpíada Internacional de Física (IPhO). O vencedor da última edição foi Caio Augusto Cerqueira, de 17 anos, que garantiu a medalha de ouro com a melhor nota em participações de brasileiros.  

O professor Airton Deppman, do Departamento de Física Experimental do Instituto de Física (IF) da USP, conta que o Brasil participa da IPhO há 20 anos e os resultados foram evoluindo durante esse período. Segundo Deppman, a competição também é uma oportunidade de transformar a vida dos estudantes. “Ao contrário do que se imagina, nem todos são de famílias de alta renda, existe uma mistura muito grande nas delegações brasileiras”, explica ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição.

Caio Augusto Cerqueira – Foto: Arquivo pessoal

A IPhO foi realizada remotamente em julho. Ao todo, participaram 380 estudantes de 76 países. De acordo com o professor, a avaliação do desempenho brasileiro não pode ser feita somente considerando o número de medalhas, mas está claro que o País evoluiu nesse aspecto ao longo dos anos.

Muitos desses estudantes acabam deixando o País para estudar no exterior. “As melhores universidades do mundo enviam pessoas para as olimpíadas para fazer propaganda dessas universidades”, conta Deppman. “As universidades brasileiras demoraram para dar esse passo, mas felizmente já estão começando”, acrescenta, ao dizer que as universidades estaduais de São Paulo passaram a aceitar medalhas em olimpíadas como forma de ingresso. 

Abrir as portas das universidades nacionais para esses estudantes também é importante pela contribuição que eles podem dar para a sociedade com pesquisas e criação de empresas. Para melhorar o resultado nas competições, Deppman destaca o estímulo à participação diversificando regiões, gênero e classe de renda, além de tornar o processo de seleção dos participantes mais amplo e transparente. “Isso leva a resultados melhores”, conclui.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.