Blefaroespasmo, transtorno neurológico raro que atinge mais as mulheres

Segundo o neurologista Egberto Reis, sua identificação não é fácil, já que pode ser confundido com problemas oftalmológicos que afetam a córnea

 30/04/2021 - Publicado há 7 meses
Por
Blefaroespasmo causa contração involuntária das pálpebras e tem causas neurológicas – Arte de Lívia Magalhães com imagens de Flaticon e Pixabay

 

O blefaroespasmo é um transtorno de causa neurológica, que costuma surgir após os 40 anos e afeta uma a duas pessoas a cada 100 mil, principalmente as mulheres. A contração involuntária das pálpebras pode deixar a vista mais irritada, ressecada e a produção lacrimal pode ser prejudicada. Segundo o doutor Egberto Reis, neurologista do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, “este é considerado um transtorno neurológico não genético, do grupo das distonias idiopáticas, sem causa definida, em que há uma desorganização de circuitos motores que controlam os movimentos. Raramente pode estar associado ao uso de medicamentos do grupo dos antipsicóticos utilizados no tratamento de doenças psiquiátricas”. 

Sua identificação não é fácil, já que pode ser confundido com problemas oftalmológicos que afetam a córnea. “O diagnóstico do blefaroespasmo é essencialmente clínico. Geralmente não se recorre a exames complementares, mas uma eletromiografia dos músculos das pálpebras pode documentar a presença das contrações involuntárias.” 

O portador desse transtorno poderá ter dificuldade para realizar atividades diárias que dependem da visão, como ler, assistir à televisão e dirigir. O doutor Reis explica que “eventualmente os movimentos involuntários podem estender-se para músculos adjacentes, a asa do nariz, os lábios e a mandíbula”.  

Não há cura para o blefaroespasmo, mas há alternativas de tratamento, como o uso de injeções de toxina botulínica, pois isso permite o relaxamento dos músculos palpebrais, minimizando em 80% o mal-estar, mas sua duração é de três meses, sendo necessária uma reaplicação que pode ocorrer por toda a vida. Nos casos mais raros, em que a resposta à toxina não surte efeito, pode ser feita uma ressecção cirúrgica parcial dos músculos palpebrais.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.