Barreiras sanitárias podem não ter efetividade para evitar nova cepa indiana

“A barreira não vai aguentar, o vírus vai continuar tendo mutação e o comportamento do povo brasileiro não vai mudar”, alerta Oswaldo Tanaka, diretor da Faculdade de Saúde Pública da USP

 27/05/2021 - Publicado há 6 meses  Atualizado: 17/06/2021 as 19:41
As novas variantes fazem parte da sobrevida do vírus e ocorrem naturalmente, de modo constante – Foto: https://www.ceara.gov.br/

O Estado de São Paulo identificou ontem (26) o primeiro caso de contaminação pela nova cepa indiana do coronavírus, que já havia sido identificada no Maranhão. Como tentativa de conter a disseminação, a Prefeitura da capital paulistana já anunciou a implementação de barreiras sanitárias, mas ainda não há registro de casos autóctones dessa variante no Estado. 

O professor e diretor da Faculdade de Saúde Pública da USP, Oswaldo Tanaka, destaca a complexidade dessa situação, porque essas novas variantes fazem parte da sobrevida do vírus e ocorrem naturalmente, de modo constante. Conter sua circulação, segundo ele, seria uma tarefa difícil, mesmo com as barreiras sanitárias. 

“É quase uma medida desesperada para tentarmos fazer alguma coisa, mas talvez não tenha efetividade para controlar a disseminação”, diz em entrevista ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição. Para ele, é importante que essa barreira seja bem estruturada, por estar na linha de frente e fazer parte do “primeiro combate”. “Vai precisar de muita gente e de muita paciência.”

Segundo Tanaka, nessa etapa da pandemia — que já caminha para uma terceira onda — é difícil conter o movimento das pessoas que contribuem para a disseminação do vírus. “Vamos continuar com essa incidência alta, vamos ter que continuar tomando medidas preventivas e, infelizmente, temos que arranjar um jeito de acelerar a vacinação. Porque a barreira não vai aguentar, o vírus vai continuar tendo mutação e o comportamento do povo brasileiro não vai mudar”, conclui.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.