Avanço tecnológico confunde os limites entre o real e o artificial

O colunista destaca que a barreira entre o real e o artificial está se tornando borrada

O uso da tecnologia para gerar mensagens artificiais automáticas em voz tem se mostrado cada vez mais presente no mercado publicitário. De acordo com Luli Radfahrer, a técnica é suficientemente sofisticada para enganar um ser humano durante certo tempo, mas isso não significa que as máquinas sejam inteligentes, elas apenas têm uma base de dados muito grande.

O colunista esclarece que alguns problemas podem surgir a partir desse cenário. O desemprego em massa é um deles. Há também a possibilidade de aumento dos casos de depressão e isolamento por conta da frustração que pode ser causada ao se descobrir que o interlocutor não é outro ser humano.

Esse cenário todo ainda pode piorar, segundo o professor; afinal, existe até uma tecnologia que falsifica vídeos, o deep fake. “A barreira entre o real e o artificial está se tornando borrada”, conclui o professor.

Confira no link acima a íntegra da coluna Datacracia.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.