Auxílio Emergencial não garante popularidade do presidente em 2022

Sergio Simoni Jr. afirma que, além da implementação do Auxílio Brasil, governo depende da articulação de forças partidárias no Congresso Nacional

 Publicado: 09/11/2021
Há quem acredite que o auxílio emergencial possa ter aumentado a popularidade de Jair Bolsonaro para as eleições presidenciais de 2022 –  Foto: Adriano Sena – Flickr

Durante as coberturas jornalísticas do auxílio emergencial, muito se discutiu sobre o papel do Congresso e a pressão que exerceu para a aprovação do programa, uma vez que o próprio presidente Jair Bolsonaro mostrava-se indeciso quanto ao projeto, que afinal acabou aprovado sob o valor de R$600, maior do que o definido até então. Para muitos, apesar de o presidente da República ter resistido inicialmente à medida – uma vez que propugnava um benefício de valor menor -, acredita-se que o auxílio emergencial possa ter aumentado sua popularidade para as eleições presidenciais de 2022. O que está por trás, afinal de contas, de uma política pública de transferência de renda como a do Auxílio Emergencial, que, aliás, está prestes a ser substituído pelo Auxílio Brasil ?

O professor  da Universidade Federal, do Rio Grande do Sul, Sergio Simoni Jr., pesquisador do Centro de Estudos da Metrópole da USP e da Rede de Pesquisa Solidária, comentou para o Jornal da USP no Ar 1ª Edição que a questão entre a relação do Auxílio Emergencial e a popularidade do presidente não é tão simples. Segundo ele, o impacto do auxílio emergencial sobre essa questão dependerá de outros fatores, como o sucesso na implementação do Auxílio Brasil, cuja discussão não deixa de estar imersa em algumas polêmicas. “Não podemos tomar como se os eleitores recebessem os benefícios e simplesmente retribuíssem com popularidade ou com votos o que o governo está implementando, depende de como as forças partidárias vão se colocar, defendendo uma política mais sólida ou minimizando essa política pública”, conta o pesquisador.

Simoni, que publicou, no começo do ano, o artigo O Congresso e a Renda Emergencial, juntamente com a pesquisadora Hellen Guicheney e o pesquisador João Lucas Sacchi Oliveira, observa que muitos fatores interferem na decisão de votos do eleitorado, a política de transferência de renda é apenas um deles. De acordo com ele, mesmo políticas sociais podem se prestar a discursos que contemplem as mais diferentes ideologias, “e isso é algo que o governo atual está querendo vender, querendo dar mais ênfase, porque tem a ver também com as bases ideológicas”.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.