Ausência de pessoas negras em cargos de liderança é reflexo do racismo estrutural

Apesar de ser a maioria da população, negros são excluídos de diversas esferas da sociedade

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
Mulheres Negras – Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A população negra é minoria em cargos de chefia. É o que revela o Instituto Ethos, em pesquisa referente ao ano de 2016. A disparidade salarial entre negros e brancos também é uma realidade. A jornalista e doutoranda do Programa de Pós-Graduação Integração da América Latina (Prolam), Tatiana Oliveira, comenta sobre o fato de mulheres negras estarem em maior desvantagem salarial.

De acordo com um levantamento do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), em 2016, no Estado de São Paulo, apenas 38,3% de pessoas negras estavam ativas no mercado de trabalho contra 61,7% de brancos.

A mídia também é reflexo do racismo estrutural: são poucos profissionais negros em redações e programas televisivos. O professor Dennis de Oliveira, do curso de Jornalismo da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, aponta que, com a falta desses profissionais, a questão racial acaba não sendo debatida.

Para saber mais sobre tema tão polêmico, ouça o áudio acima.

 

 

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados