Aumento de estresse durante pandemia eleva casos de bruxismo

De acordo com Gustavo Grothe Machado, existe uma dificuldade em precisar um número exato dos casos de bruxismo, uma vez que a pessoa afetada pela condição pode muitas vezes não saber que a possui

 02/09/2021 - Publicado há 2 meses
Sintomas da doença vão desde barulhos gerados pelo movimento involuntário durante o sono até danos na arcada dentária – Foto: DRosenbach via Wikimedia Commons – Domínio Público

Houve um aumento nos casos de bruxismo durante o período da pandemia. Apesar da causa do bruxismo não ser conhecida, o aumento das notificações foi atribuído ao estresse. O bruxismo é considerado uma doença multifatorial, em que diversos fatores estão envolvidos, entre eles o estresse, considerado, por algumas correntes de pesquisadores, o principal. Com o aumento da carga de estresse decorrente do trabalho ou da ansiedade, existe um risco do desenvolvimento do bruxismo ou aumento da intensidade em um quadro já diagnosticado.

A média seria de que em torno de 20% da população apresentaria bruxismo, uma prevalência muito elevada”, contou ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição o cirurgião-dentista  Gustavo Grothe Machado, chefe do serviço de cirurgia Bucomaxilofacial do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. De acordo com ele, existe uma dificuldade em precisar um número exato dos casos de bruxismo, uma vez que a pessoa afetada pela condição pode muitas vezes não saber que a possui. 

Os sintomas da doença vão desde barulhos gerados pelo movimento involuntário durante o sono até danos na arcada dentária. Como os mais comuns são o ranger dos dentes e um cansaço da musculatura na área do maxilar, o quadro acaba ficando sem o tratamento adequado, correndo o risco de danos a longo prazo. 

O bruxismo se divide entre casos primários e secundários. O primário não está relacionado a outras condições de saúde e a forma secundária da doença é consequência de uma outra doença. Machado ilustra o caso secundário da doença, relacionado com distúrbios do sono, como a apneia do sono ou ao abuso de drogas, como álcool. O bruxismo não tem cura, no entanto, possui tratamentos disponíveis para lidar com a doença.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.