Atuação do crime organizado ameaça áreas de mananciais em São Paulo

Ocupação e loteamento de terras são feitos nos moldes da milícia carioca nas represas de Guarapiranga e Billings

jorusp

Represa Guarapiranga – Foto: Rovena Rosa / Agência Brasil

Recentemente, o jornal O Estado de S. Paulo expôs como organizações criminosas vêm sistematicamente atuando através de invasões e loteando áreas protegidas por leis ambientais na cidade de São Paulo.
Os principais locais afetados se encontram nos mananciais das represas de Guarapiranga e Billings. O Ambiente é Nosso Meio desta semana, com Pedro Luiz Côrtes, do Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental do Instituto de Energia e Ambiente (IEE) da USP, explica os maiores perigos da ocupação desenfreada dessas áreas.

Cortês pontua que as invasões não são novidade e vêm sendo praticadas há muito tempo, muitas vezes estimuladas por políticos. O grande problema é a ausência de infraestrutura de saneamento nesse locais, como fornecimento de água e coleta de esgoto, por exemplo. Os dois mananciais em questão no momento são utilizados para o abastecimento na região metropolitana de São Paulo. A ocupação humana faz com que o aporte de resíduos e esgoto doméstico aumente; dessa forma, a matéria orgânica na água interfere em sua qualidade.

Construções nas margens da represa Billings, que é um dos principais reservatórios de água da Região Metropolitana de São Paulo – Foto: Rovena Rosa / Agência Brasil

Quem mora na região Sul paulistana sabe que a água fica com sabor, principalmente no verão, quando ocorre uma grande proliferação de algas na represa de Guarapiranga. Não é uma água imprópria para consumo humano, mas, muitas vezes, você tem um sabor desagradável que não consegue ser eliminado no processo de tratamento que a Sabesp vem utilizando.”

Outro perigo da ocupação dessas áreas é a diminuição da mata que circunda as represas. Na medida em que a mata ciliar é suprimida, ela deixa de cumprir seu papel de manutenção da qualidade ambiental dos reservatórios. Além disso, ela não consegue evitar que – em momentos de chuva intensa – o solo seja carreado diretamente para dentro da represa, causando o assoreamento.

Se, ao longo de décadas, já se notava a atuação comandada por políticos e candidatos mal-intencionados na região, agora há a participação do crime organizado também. Isso se verifica mais claramente nas milícias do Rio de Janeiro devido à proximidade entre as ocupações e o centro da cidade. Como as áreas periféricas de São Paulo estão mais distanciadas das grandes aglomerações, cria-se a ilusão da questão não existir. É uma situação significativamente problemática e que coloca ainda mais em risco a frágil situação ambiental brasileira no que se refere a reservatórios de água.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP, Faculdade de Medicina e Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •