Atritos entre Carlos Bolsonaro e Hamilton Mourão enfraquecem governo

Para Singer, a situação é grave, com potencial de conflito e de crise institucional muito sério

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Os atritos – via redes sociais e fora delas – entre o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, e Carlos Bolsonaro, filho do presidente da República, são o tema desta coluna de André Singer. “Na verdade, isso aqui é um desdobramento já de uma sequência de atritos que vêm ocorrendo praticamente desde o primeiro dia do governo”, diz o colunista, que entende estar Mourão colocando-se abertamente como alternativa ao presidente, o que Singer define como “um caso singular”. Já se tornou quase um lugar-comum que, dia sim, dia não, o vice-presidente faça algum contraponto ao presidente Jair Bolsonaro.

Embora Mourão esteja apregoando agora querer encerrar o caso, o fato – para Singer – é que ele tem-se colocado como alternativa num governo sabidamente simpático aos militares. Aspectos folclóricos à parte, o colunista entende ser essa uma situação muito grave, “com potencial de conflito e de crise institucional muito sério”. Tudo isso faz com que o balanço desses primeiros quatro meses do governo seja negativo, o que contribui para o enfraquecimento da figura presidencial.

Não se sabe como essa história vai terminar, mas, por tudo que aconteceu até aqui, as perspectivas não são nada boas para a estabilidade do atual governo. Acompanhe, pelo link acima, a íntegra do comentário do cientista político André Singer.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados