Atendimento domiciliar cresce no Brasil

Médico do HC-FMRP conta que os benefícios vão desde o menor risco de infecção hospitalar até a questão social e emocional do paciente

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Os atendimentos de saúde domiciliares, conhecidos como home care, têm aumentado nos últimos anos. Em 2011, existiam 138 empresas que prestavam esse tipo de serviço no Brasil e, no ano passado, eram 392 empresas. Os dados são da Federação dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo (Fehoesp).

Para o médico Rodrigo Eboli da Costa, do Grupo de Cuidados Paliativos do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP em Ribeirão Preto, o foco do serviço são os pacientes, mas também é preciso pensar na família.

Além disso, os benefícios envolvem menor risco de infecção hospitalar até a questão social e emocional do paciente. “A desospitalização, o home care, ajudaria nesse sentido, por ele estar sendo cuidado em casa junto aos seus familiares e amigos”, conclui.

Ouça a entrevista no link acima.

Por Giovanna Grepi

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados