Ataques cibernéticos crescem muito durante quarentena

Para combatê-los, principalmente neste período em que vigora o home office, o ideal é ter uma senha para cada aplicação, ensina o professor Gustavo Mônaco

O Brasil sofreu mais de 1,6 bilhão de ataques cibernéticos no primeiro trimestre do ano. Se comparado a março de 2019, o aumento foi de 131%. O crescimento no número de invasões foi ocasionado pelo fato de muitas pessoas, neste período de pandemia e isolamento, fazerem seu trabalho em home office, com computadores e dados não tão bem protegidos. Programas espiões são utilizados para acessar as senhas dos usuários, que poderão ter seus dados pessoais utilizados para acesso à conta bancária e outras situações.

Desde 2014, nós temos no País o Marco Civil da Internet, uma legislação que inovou diversos aspectos da regulamentação das atividades das empresas relacionadas ao ambiente digital. Mas, apesar de contarmos com um sistema de responsabilidade civil e criminal, ninguém está isento de ter seus dados acessados e mal utilizados. Assim, a melhor forma de proteção, diz o professor Gustavo Mônaco, do Departamento de Direito Internacional da Faculdade de Direito da USP, é “ter uma senha para cada aplicação e sites que costuma utilizar. As senhas não devem ser fáceis, nem utilizar datas importantes ou nome de pessoas conhecidas”. Ele também recomenda que não se deixe os dados pré-cadastrados em sites de compras.

Acompanhe a matéria na íntegra pelo link acima.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.