As consequências da elevação dos juros nos EUA

No curto prazo, o desafio de manter a inflação sob controle aumentou no Brasil, sem que tenha aumentado a confiança dos mercados no ajuste fiscal

cab_gilson

logo_radiousp790px

Foto: SS&SS via Visual Hunt
Foto: SS&SS via Visual Hunt

Aconteceu o que já era esperado pelo mercado financeiro: o Banco Central norte-americano elevou as taxas de juros, e já avisou de que outros aumentos – pelo menos três – deverão ocorrer ao longo do próximo ano. O que, de certo modo, surpreende, uma vez que, desde a crise de 2008 até agora, nunca houve mais do que uma elevação da taxa de juros norte-americana. Para os Estados Unidos, a medida representa um aperto, que corresponde ao crescimento da economia norte-americana. Para as economias do resto do mundo, as dificuldades devem aumentar, prevê o professor Gilson Schwartz em sua coluna semanal para a Rádio USP. No Brasil, já há pressão para que o Banco Central acelere a redução da taxa dos juros. A tendência é de haver uma desvalorização do real, o que é ruim para o controle da inflação.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •