Arquitetura brasileira está presente em países da África

Ex-escravos, retornando para países como Nigéria e Benim, trabalharam elementos da arquitetura brasileira em solo africano

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

“As pesquisas de intercâmbio sobre as trocas culturais entre Brasil e África precisam melhorar e aumentar muito ainda, sobretudo no campo da arquitetura, onde são muito incipientes.” A afirmação é do colunista Guilherme Wisnik, que, ao visitar países da África, se surpreendeu com um fenômeno cultural pouco conhecido no Brasil, mas muito difundido na Nigéria e em Benim, qual seja, a chamada arquitetura brasileira em pleno solo africano.

É que, com o fim da escravidão no Brasil, muitos ex-escravos retornaram para seus países de origem, lá se estabelecendo e contribuindo com um “conhecimento empírico de construção”. Eles foram bem recebidos em seu retorno à África e alguns se tornaram construtores reconhecidos, produzindo obras notáveis.

Ouça, acima, a primeira coluna do ano do professor Guilherme Wisnik.

 

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •