Armas impressas, sonho dos terroristas

Uma arma impressa em 3 D passa pelo detector de metal de um avião

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

No admirável mundo novo da tecnologia como se nos apresenta hoje, a impressão de armas já é uma realidade. Não é só uma realidade, como uma prática legal em países como os EUA. E  é sobre isso que o professor Luli Radfahrer fala esta semana em sua coluna Datacracia. Fabricar uma arma artesanalmente era impossível tempos atrás, mas isso mudou depois do surgimento das máquinas de impressão 3 D. Elas foram ficando cada vez melhores, da mesma forma que os projéteis tornaram-se mais leves e os planos, cada vez mais sofisticados.

Hoje é possível acessar na rede vários planos de armas e imprimir a que se desejar, com todos os riscos que tal atividade possa implicar. O perigo mais óbvio é tornar possível a qualquer indivíduo a fabricação artesanal de uma arma. Muito mais ameaçador, porém, é tornar viável o sonho de todo e qualquer terrorista: uma arma impressa numa impressora 3 D passa incólume ao exame do detector de metal de um avião. Ouça, no link acima, a íntegra do comentário.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •