Argumentos pró-intervenção militar não têm fundamentos históricos

Para professor da USP, os argumentos são ideológicos e não representam a realidade vivida naquele período

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O Brasil viveu sob regime ditatorial por 21 anos, desde 1º de abril de 1964. Hoje, 33 anos após a redemocratização do País, ainda se veem pessoas saindo às ruas em favor de uma nova intervenção militar e do retorno da ditadura – ainda que esta seja inconstitucional.

Professor do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, Marcos Silva conta que esses argumentos apoiam-se em base ideológica e não têm sustentação em dados históricos.

Para entender mais sobre o tema, ouça a matéria clicando no link acima.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados